sexta-feira, 10 de setembro de 2010

(PN Itatiaia) A Odisséia

Justiça há de ser feita: essa viagem para o Parque Nacional de Itatiaia foi concebida e organizada por um amigo do CouchSurfing, onde eu fui apenas de acompanhante. Não que isso seja ruim; na verdade é bem cômodo.

Pico das Prateleiras Os preparativos aconteceram todos através do grupo de São Paulo do CS, com a devida antecedência. A ideia era subir o Pico das Prateleiras (foto). No total, seriam 30 pessoas: 14 em uma van fretada, outros 14 de carro próprios e 2 de ônibus de outros locais. Para evitar desencontros, nos encontrarmos todos no O' Malley's às 22h, para sairmos em comboio rumo a Itamonte (cidade mais próxima do Parque Nacional de Itatiaia).

As pessoas foram chagando aos poucos e vários se animaram para fazer um Happy Hour naquela 6ª-feira abafada. Entre uma Guinness e outra, a van acabou saindo só às 22h30, com os 14 passageiros previstos (os carros saíram no horário combinado - 22h). Mas como o trajeto é simples, não haveria problemas. Seguimos pela Rod. Carvalho Pinto enquanto todos iam se enturmando.

Mas quando chegamos ao final da Carvalho Pinto, toda a previsibilidade acabou. Entretidos pela conversa, demoramos para perceber que o motorista tinha errado o caminho!

Ao invés de sair para a Dutra em Taubaté (o que seria o caminho correto), ele continuou pela SP-123, rumo a Campos do Jordão. E foi, quilometro após quilometro, seguindo seu próprio nariz e nos levando cada vez para mais longe de Itamonte. Só percebemos quando, em algum lugar perto de São Bento do Sapucaí, demos 2 voltas completas em um trevo na rodovia!

Foi o suficiente para despertar a atenção de todos. Poucos minutos depois cruzamos a fronteira de MG e entramos na MG-173, o que confirmou de que estávamos realmente perdidos. Obrigamos o motorista parar no primeiro posto de gasolina, ainda que ele insistisse que não estava perdido!

Estávamos perdidos ao ponto que ninguém conseguia nos dar alguma referência que não fosse sobre como chegar a Belo Horizonte
A partir desse ponto, não sei qual caminho fizemos. Optei por sentar no fundo da van e tentei (em vão) dormir para minimizar a tensão! Mas acordei, algum tempo depois, com os buracos na estrada e, ao observar as placas, descobri que estávamos perto de Santa Rita do Sapucaí.

Às 3h da madrugada, quase todos dormiam (pelo menos, foi o que eu achei) e a van estava em silêncio. A estrada estava vazia e eu só conseguia perceber o motorista passando em cima de todos os olhos de gato da faixa amarela dupla contínua. Para coroar a preocupação, logo descobri que ele estava “pescando” no volante.

Entre olhos de gato atropelados, curvas na contra mão e rodas para fora do asfalto, percorremos o restante do caminho mais longo possível. Chegamos em Itamonte pela BR-354 (por Pouso Alegre) bem lentamente, já que sempre que o motorista dormia ele relaxava o pé do acelerador e a van praticamente parava na estrada. Mas melhor assim.

Eram 7h da manhã e o dia já estava claro quando chegamos ao Hotel Thomaz; ponto de encontro e descanso, onde deveríamos ter passado a noite dormindo para encarar a subida do Pico das Prateleiras. Mas nessa noite, só o motorista!

Informações Locais:
Hotel Thomaz: Rod. BR-354, N 527 - Tel: (35) 3363-1717

Quem estava:

Picasaweb + fotos