sexta-feira, 10 de abril de 2009

(Bolívia) Dia 06: Cruzando fronteiras

Como não tivemos disposição para arrumar as coisas no dia anterior, acordamos às 5h para fazê-lo. Às 5h30 pegamos um táxi até o terminal rodoviário e às 6h um ônibus (da empresa San Cristovan Del Sur) para Puno. O ônibus era ruim, mas a paisagem não, sendo que nos pontos mais altos do trajeto (próximo de 4500m de altitude) as montanhas e a neve completavam o belo visual.

Chegamos em Puno às 12h mas o ônibus para Copacabana sairia apenas as 14h30. Deixamos as bagagens no guichê da empresa de ônibus e fomos dar uma volta pela cidade. Às margens do belo Lago Titicaca, Puno consegue ser bastante feia, fedorenta e poluida. Rapidamente resolvemos voltar para a rodoviária. Comemos algumas besteiras lá mesmo e já compramos as passagens de Puno para Cusco em um ônibus turístico.

Lago TiticacaÀs 14h30 fomos até outra rodoviária de táxi, e fomos acompanhados de um funcionário do guichê onde compramos a passagem. Embarcamos no pior ônibus imaginável: malas do lado de fora, poltronas quebradas e furadas, fedo nauseante; e fomos nós para Copacabana. E ainda assim a viagem foi belíssima (foto). Mas entre Puno e Copacabana existe a fronteira, e o ônibus podre em que estavamos foi apenas até perto dela! Da parada final até a fronteira apelamos para uma “bike taxi” e uma lotação. Depois de alguma burocracia na aduana, atravessamos-a, e pegamos mais um táxi até o centro de Copacabana, tudo por nossa conta. Em plena 6º-feira santa, na mais importante cidade de peregrinação religiosa da região, arrumar lugar para dormir não foi tarefa fácil. Conseguimos somente um quarto triplo, para 2 dias obrigatoriamente, no albergue Emperador, que entrou facilmente na lista dos piores lugares em que já fiquei. Camas com carunchos (que descobrimos apenas depois), banho gelado e funcionários desleixados!

Depois de um péssimo banho, fomos para a rua comer. No caminho, passamos pela igreja de Nossa Senhora de Copacabana e vimos seu magnífico altar. Acabamos um restaurante para romeiros, pois foi o único lugar em que conseguimos entrar. A quantidade de pessoas nas ruas, era imensa e até me lembrou a minha Caraguatatuba em época de Reveillon: um caos! Voltamos rápido para o albergue, pois o frio estava insuportável. Tratamos de dormir logo.

DICAS:
  • O ônibus turístico de Puno a Cusco vai pela estrada que é paralela à linha do trem e custa 30% do valor deste e tem mais opções de horários. Embora o trem seja de primeiríssima classe, o ônibus é mais rápido e faz várias paradas para fotos, atrações e refeições!Compramos as passagens na rodoviária de Puno com o César, agente turistico competente, prestativo e honesto.
  • A aduana entre Peru e Bolívia funciona todos os dias, inclusive feriados, das 8h às 18h30 (-5 GMT). A travessia a pé é grátis.
  • Não há telefones públicos em Copacabana! Apenas cabines de ligação, portanto cartões telefônicos são inúteis!
Informações locais:
  • Guia Turístico em Puno: César Choque Vilca - TeL: 051- 368015 - Cel: 951-990113

Quem estava:
Picasaweb + fotos