domingo, 26 de dezembro de 2010

(Jordânia) Dia 23: Outro dia em Petra

Acordamos novamente cedo: às 6h15, mas hoje foi muito mais difícil. O cansaço acumulado pedia 2h a mais de sono para descansar devidamente. Mas deixamos a preguiça de lado, tomamos café da manhã e, sem perguntar se podíamos, pegamos algumas coisas da mesa do café para comer durante o dia.

Às 7h20 estávamos entrando novamente no Parque Arqueológico de Petra mas, hoje, melhor preparados: nada de roupas de frio e vários litros de água. Apenas uma mochila leve, com o mínimo. Seguimos tranquilamente desde a portaria, prestando toda atenção nos vários Djin Blocks e à Tumba do Obelisco, que se encontram ao lado da estrada.

Chegando ao grande portão (nome dado a fenda aberta por um terremoto), o caminho que segue possui tonalidades de vermelho, ocre e amarelo que vão além do imaginável. Percorremos o trajeto atentos a todos os detalhes. No final, o prêmio: Al-Khazned - ou Treasury (video).


Essa é a principal obra de Petra, que impressiona pelo tamanho colossal da fachada (30m de altura) esculpida na própria montanha e a riqueza de detalhes. Ao observá-lo de frente, fica evidente que o local foi meticulosamente escolhido para que os tons avermelhados da montanha fossem “pintados” pela luz do sol em todas as horas do dia, ampliando a percepção do tamanho da obra e conferindo um efeito de constante transformação.

Como novamente chegamos antes das excursões, ficamos 30min apreciando e fotografando o Treasury sem preocupação. Seguimos pela Rua das Fachadas (que na verdade é uma necrópoles) até chegar ao teatro, com 7 mil lugares, totalmente esculpido na montanha.

Depois de fotografar e descansar apreciando o local, seguimos para a parte das grandes tumbas. Visitamos todas as Tumbas Reais, no sentido tradicional (da menor e mais simples para a luxuosa): Urn, Silk, Corinthian, Palacio e terminamos na tumba de Sextius Florentinus, o governador romano da Arábia. As construções são tão grandes e imponentes, que é difícil imaginar que eram destinadas aos mortos.

Áreas de Sacrifício em PetraO caminho das tumbas termina no início da Rua Colunada, que eu já tinha visto em detalhes no dia anterior. Por isso, resolvi ir até as Áreas de Sacrifício (foto). Seguimos por um caminho à esquerda da rua Colunada e subimos durante 1h até o ponto mais alto. Fomos em ritmo lento, fazendo várias paradas para fotos. Ficamos lá em cima apreciando a vista descomunal e descansando. Só depois de 1h resolvemos descer até o Lion Monument. Levamos 40min para ir e voltar até lá, mas como já passava de 12h30, desistimos de seguir até o Snake Monument por medo de não dar tempo.

Às 13h30 estávamos de volta à Rua das Fachadas e começamos a seguir, sem pressa, para o portão de entrada do parque. Passamos novamente pela ponte (que fica em frente ao grande portão), pelos Djin Blocks e chegamos à entrada às 14h30.

Fomos diretamente para o hotel, tomamos banho e descansamos por 1h. Passamos o restante da tarde procurando lembranças e cartões postais. À noite, fomos jantar no Sun City Restaurant com um amigo que fizemos no hotel. A comida não estava melhor que a da noite anterior, mas era honesta.

De volta ao hotel, fomos dormir às 21h30, já deixando nossas coisas arrumadas para partir amanhã bem cedo.

Informações Locais:
  • Sun City Restaurant: Tourist Street, Wadi Musa - Tel: +962 3 215-4123. Atendimento em inglês.

DICAS:
  • Se for contratar transporte em animais (burros, cavalos ou charretes) procure o número de identificação dele. Esse número é fornecido por Brooke Jordan, que fiscaliza se o tratamento dado aos animais é adequado.
  • A subida até as Áreas Altas de Sacrifício é mais fácil que a escadaria até o Monastério. Alugar animais é totalmente desnecessário para esse trecho.

Quem estava:
Picasaweb + fotos